Publicado em

Especial Halloween games de Terror – PARTE 2

O terror do Dia das Bruxas ainda não acabou aqui no Japan Zone. Essa é a segunda parte do especial de Halloween sobre Games de Terror, então se você ainda não […]

O terror do Dia das Bruxas ainda não acabou aqui no Japan Zone.

Essa é a segunda parte do especial de Halloween sobre Games de Terror, então se você ainda não leu clique no ESPECIAL HALLOWEEN GAMES DE TERROR – PARTE 1.

E continuando a minha excursão dos jogos que mais me aterrorizaram, vamos partir para Alone in the Dark: The New Nightmare. O quarto game da franquia original que começou em 1992, chegou no Playstation muito provavelmente devido ao sucesso que Resident Evil estava fazendo, eu o joguei no Playstation 1, mas resolvi falar dele aqui porque ele também foi lançado para Playstation 2 e PSP. Com uma mecânica que lembrava em muito RE2, por trazer dois personagens diferentes onde um completava a história do outro, Alone in the Dark era realmente difícil e eu achava foda a mecânica de você usar a lanterna para poder atingir os inimigos (coisa que foi usada depois em Alan Wake). Os gráficos também impressionavam para a época de lançamento e a intro é bonita até hoje, assistam abaixo.

Agora partindo de vez para a 6º geração, um jogo que me chamou muito a atenção foi o underground, The Suffering. Desenvolvido pela Midway, ele não é um dos títulos mais conhecidos pelos gamers, mas vou colocar ele aqui porque na época ele foi impactante por ter um visual “gore” que me lembrava o filme Hellraiser e uma história pra lá de alucinante. Para falar a verdade não sei dizer hoje se ele é um bom, já que eu nunca mais tive a oportunidade de joga-lo (vi hoje gameplays no youtube e os gráficos são bem fraquinhos), mas lembro que nas madrugadas ele me assustava bastante.

A série Silent Hill sempre foi pra mim, omo escrevi no post anterior, o marco dos games de horror, então quando pude jogar pela primeira vez Silent Hill: The Room, fiquei realmente esbaforido, com um enredo pra lá de perturbador sabendo utilizar muito bem a perspectiva do protagonista para contar a história (apesar da jogabilidade um pouco travada, e na minha opinião pior que os antecessores), fiquei realmente surpreso em descobrir que esse não era pra ser uma sequencia da franquia, e sim um jogo independente.

Se ainda não viu, fique agora com a abertura perturbadora do jogo.

E para encerrar (por enquanto) essa série de jogos de terror trago a série Fatal Frame (ou Project Zero no Japão), esse jogo foi lançado pela Tecmo em 2001 e se tornou uma série de sucesso do gênero no mundo todo. A história utiliza muito do folclore japonês onde o personagem, que seguindo de leve os passos do game Clock Tower (que falei na parte um do artigo), apresenta uma protagonista quase indefessa que só conta com o auxilio de uma câmera fotográfica para poder exorcizar os espíritos do mal que ameaçam a sua vida. A franquia gerou várias continuações e recentemente se tornou filme no japão.

Vou encerrando por aqui, mas pretendo continuar essa série em breve, pois sei que deixei de lado diversos jogos importantes, mas eu quis escrever apenas sobre aqueles que eu joguei bastante e tive uma experiência significativa.

Se você leu até aqui você é corajoso e faz parte dos verdadeiros gamers que apreciam os jogos de terror, horro e afins. Escreva o que acha dos games apresentados e fale das suas experiências com estes ou outros jogos de terro ai nos comentários.

Muito obrigado e feliz Semana de Halloween!

Camiseta Obrigado Manchete

Deixe sua opinião